O fim de um ciclo - Espaço Cena

É hora de lamentar o fechamento de um espaço cultural, mas ao mesmo tempo é hora de resistir, fortalecer e renascer.

Espaço Cena

10/06/2020

O FIM DE UM CICLO (E O INÍCIO DE OUTRO)


Em 2005, o Cena Contemporânea, o Festival Internacional de Teatro de Brasília, se mudou para um novo local, na quadra comercial da 205 norte. Havia um objetivo, um projeto em gestação. A ideia era ampliar a relação do festival com o seu público, em especial com os jovens e estudantes de artes cênicas. Durante a edição daquele ano do Festival aconteceu ali um dos primeiros dos muitos momentos que imantaram aquele espaço, o emocionante encontro com o desconhecido: os atores da companhia iraniana Mehr Theatre Group. Mas foi no final daquele ano que o novo projeto do festival verdadeiramente nasceria.


No dia 10 de novembro de 2005, a peça Dinossauros, de autoria de Santiago Serrano, inaugurou o Espaço Cena, iniciando a bela história que agora, em 2020, termina. Algumas coisas duram séculos, milênios. Outras duram anos, décadas. Assim foi com o delicado centro cultural, um espaço de criação que abrigou centenas de espetáculos inéditos, oficinas de artes, exposições fotográficas, shows, degustações gastronômicas, lançamentos de livros e discos e festas deliciosas em seus quase 15 anos de vida.


O Espaço Cena nasceu na 205/206 Norte, quadra conhecida por suas características arquitetônicas diferenciadas, a “babilônia” da Asa Norte. Em 2005, a quadra era deserta, escura e havia poucas lojas funcionando. A fama era de que nada ali teria vida longa. Pois assistimos durante esses anos à transformação do espaço urbano, que foi acontecendo aos poucos na medida em que as luzes se acendiam, os ensaios aconteciam e o público ia chegando. Hoje aquelas quadras se tornaram sinônimo de entretenimento, arte e cultura. Fiquem certos, a Cultura transforma.


O Espaço Cena também foi a casa de grupos de artistas responsáveis por alguns dos sucessos do teatro brasiliense nos últimos anos: Dinossauros; Fronteiras; Os Demônios; Varsóvia; Bagatelas, Heróis, O Caminho do Vento e Inventários. Além de muitos outros realizados por grupos que ali encontraram abrigo seguro. Espetáculos que estrearam no Espaço Cena e se apresentaram em seguida nos grandes festivais e eventos dedicados às artes cênicas no Brasil e no exterior.


Essa história nos orgulha e nos enche o coração de gratidão. Mas, como dito no início desse texto, projetos começam e terminam e está na hora de um novo capítulo na trajetória do Cena Contemporânea. São 25 anos! Uma história que seria comemorada com uma potente edição, mas que devido à pandemia mundial não pode acontecer como o planejado. Entretanto, estamos preparando novidades e não deixaremos de celebrar ainda este ano.


O Cena, o festival internacional de teatro de toda Brasília, virá renovado, olhando para o futuro e, como sempre foi, nos ajudando a compreender o que estamos vivendo, nos fazendo pensar, nos impulsionando à ação e ajudando a tornar a nossa vida melhor.


Não poderíamos deixar de agradecer as muitas pessoas que participaram ativamente desses 15 anos de Espaço Cena. É impossível relacionar aqui cada um e cada uma, por isso sintam-se abraçadas e beijadas (ah, como seria bom, não é?).


É hora de lamentar o fechamento de um espaço cultural, mas ao mesmo tempo é hora de resistir, fortalecer e renascer.

PS: O Espaço Cena seguirá vivo aqui, nas redes sociais, para a preservação da memória de tudo o que ele abrigou e durante alguns dias iremos resgatar algumas imagens que marcaram essa história.


E vocês ainda podem assistir aos dois últimos espetáculos que estavam programados antes de tudo ser interrompido pelo Covid-19. É só procurar pela playlist “Ocupação Espaço Cena 2020” no canal do Cena Contemporânea no Youtube. Corre lá.


FONTE: https://www.facebook.com/espacocenabrasilia/posts/4566377693387671?__tn__=K-R